Literature, music and mulled wine - a litany on having your heartstrings pulled

There's two types of things that when they happen, my heart seems to fill up with joy to the point of exploding. One is reading a new book by an author I had never heard of and finding it so good, so amazing I become obsessed and want to read everything by said author. I believe the last time that happened was with Gillian Flynn, about a year or two ago, when I read "Dark Places" and had to go on and buy "Gone Girl" and "Sharp Objects" - though I still haven't managed to get my hands on that one! Before Miss Flynn, I had been experiencing a major drought since the advent of Susannah Clarke and her beyond amazing and fenomenal "Jonathan Strange and Mr. Norrell" (You honestly have no idea how I love that book!) followed by the enchanting "The Ladies of Grace Adieu". That was in 2006 and 2007. Such a long time ago... I lived through that period of drought by focusing on my much adored Stephen King, which is always a life saviour in times like these, since the man is so prolific (thank you for being so, Mr. King!), despite the fact that I really craved for the discovery of a new author to love.

The other thing that I love it when it occurs is when I come across a new band that makes my heart flutter. Now this is very very very rare indeed, as I am such a picky person when it comes to music. I kind of like to listen to everything, as background music, though I must draw a line at modern pop and hip hop and r n'b music as I cannot stomach 1D's and Kanyes and Taylors and Gagas and all that jazz. I will never ever be a Belieber, though I will happily listen to mostly any genre. But for a band to capture my imagination, and pull me by the heartstrings, well, that is a rare feat indeed. It begs for a combination of factors that aren't easy to come across, as I am quite ecletic when it comes to music. In my teen years Iron Maiden and Spandau Ballet had me by the heartstrings. Warlock, Helloween, when I was about fifteen, sixteen. Bauhaus and The Clash when I was seventeen, eighteen, nineteen. Alice in Chains in my grunge days - and I still have my heart beating fast at the sound of their music.

And Faith No More. I was nineteen and drooling over their music, begging friends who were going abroad on vacation to bring me their albums which I couldn't find in Portugal. I had Mike Patton up on my bedroom wall along with James Dean (let's leave that one for another day.) and I listened to them constantly, along with other things. I had never been as obsessed about a band as I was about FNM. I saw them live everytime they came to Portugal. Mike once waved at me, but that's a story for another day, because I nearly fainted. I was and am to this day a huge FNM fan. Know entire albums by heart. Thought they would never ever be dethroned, and though I loved listening to other bands and other types of music, they were the ones I always went back to, and which I listened to more regularly. Even in the midst of all the Metal bands I still listened to, as I entered my twenty first year and came across Doom Metal (for those who know me and this type of music, it would seem as we're a match made in heaven, but alas, it was not to be so.).

I confess I do have a soft spot for Doom in the form of portuguese band Desire, though I started my listening of said genre with My Dying Bride. And even though this is a melancholy, depressive, over romanticized type of music - especially when it comes to the lyrics - and I am such a melancholy and over romantic person, I would assume my heart would be captured by one of these bands. Alas it was not so, it was Cradle of Filth that had me by the balls (if I had them) and they soon became my obsession. I have most of their discography, and Supreme Vampiric Evil is still a landmark musically speaking, in my eyes. It also awakaned in me the fascination for those guitars, played in such aparent discordance, and those gutural screaming male voices that were some times cut by melodic powerful female solos (Sarah Jezebel Diva was divine indeed!). From CoF on, I have always searched in musi cwhat their first albums have given - the orchestral ambiance, the voices, the guitars, the synths and the thematics. Back Metal entered me with a vengeance, I might say. As I moved on to bands like Burzum, Old Man's Child or Mayhem, I found that the sound they played was quite relaxing for me, putting me in a trancelike state that calmed me, that revived me.

So amidst all the music I heard from then on, mostly Metal, yes, and with a huge penchance for Viking Metal, due to a project by the name of Storm, that despite being formed by two Black Metal performers focused mostly on Norwegian traditional songs and legends and its paganism, I kept on trying to come across another band that would have me going mad like CoF did. It was a long long time until I happened upon Summoning who quickly became my go to band of all times. Their mix of classic Black Metal voices with their orchestral back music, the guitar solos and mostly their obsession with Tolkien and "Lord of the Rings" (all their albums are about LOTR!!) made them into the one band I could listen to for hours on end, sending me on a rampage of getting my hands on all their works. But with that came along a phenomenon where I would listen to other bands, other albums, other music and my heart would not skip a beat, I would not feel elated, tears of joy would not spring into my eyes as it happened when I listend to Summoning.

So that other thing I love for it to happen is coming across an unkown band (Metal, preferably) and listening to one of their albums and suddenly feel that clang in my chest, that heaving of my breast, that joy that rushes through all my veins and leaves me feeling a surge of happiness that is hard to describe. I have been "lucky" enough to have come across two such bands in this last year, and have had my heart's content as I listen to their work non stop while I try to do some work myself. Just the other day, as I was listening to one of these bands - Caladan Brood - I realized that the feeling of the blood coursing hard through my veins and making me feel warm inside was very similar to the feeling I get when I have a mug of mulled wine! And immediately I craved some mulled wine, but seeing that the weather had still been way too warm, I couldn't be bothered with it. See, mulled wine is particularly good when it's bitter cold outside and you have spent hours working in front of your laptop and your hands and feet are frozen and you need a glow of warmth inside the mouth of your stomach.

This week the weather has been perfect for mulled wine. The days are sunny and bright, but the temps are quite low, and there's a bitter wind outside pulling on your clothes and getting into the nooks and crannies, leaving you chilled to the bone and in need of a pick me up. Nothing like this recipe, if you're feeling as cold as I am!
  • two and a half cups of red wine
  • two clementines, cut into quarters
  • eight cloves
  • two star anise
  • a scatter of dried rose petals
  • two cinnamon sticks
  • two teaspoons honey
  • lemon peel
Stick a clove into each of the clementine quarters - if you're not a huge fan of cloves, use only four! -and place them inside a pan, covering them with the wine. Add the honey, the star anise, the cinnamon sticks, the lemon peel and the rose petals. Bring to a boil over high heat, then lower the heat and let simmer until the clementines look cooked. Serve hot, and the boiled clementines are delicious to eat, so you can have them for dessert too!! This will keep you all warmed up for a while, trust me.


  1. Já ouvi muitas pessoas dizem que metal namorei uma vez com um rapaz que adorava heavy metal e fiquei um bocado traumatizada, vá :p mas vou fazer "bookmarking" disto e espreitar tudinho! ;)

    beijinhos, Nádia
    My Fashion Insider

    1. Metal anestesia???? Eh pah, que raio de gente doida é essa???? Bom, Heavy Metal é bem diferente de Black Metal, o qual sózinho tem umas quinhentas subcategorias!!! Eu cá gosto mm é de Atmospheric Black Metal, que é mais melodioso, e a mim me relaxa mesmo muito, me deixa muito zen. Acho que não gostarás de nenhuma dessas bandas que falo aqui a não ser talvez Faith No More loool!! Se bem que tendo nós duas alguns gostos musicais em comum, ainda me surpreendes eheheheh

  2. ahahahhahhahahaha nunca te imaginei de TODO umsa Belieber!! E como te compreendo! É super, SUPER difícil para mim, apaixonar-me p uma nova banda/artista. E dou cmg a ouvir os mesmos de sempre. Os Alice in Chains estão mts vez on repeat. Eu acho q o grunge é a minha cena (sou bues cool né, bué outsider...) Mas sabes, revejo-me na Lana como não revia há MUITO tempo numa artista feminina, back to Pj Harvey e shirley Manson. A Lana é uma versão mais soft, mas ao mesmo tempo poética e mistica.

    1. Ah, não a acho DE TODO mais soft q uma PJ ou uma Shirley Manson, de todoooo!! Ela é mais sugary na sua forma de musicar e cantar, mas caramba, toda ela é darkness and despair, toda ela é um aceitar a escuridão, a melancolia que existe em todos nós, e saborear essa dor, essa mágoa, toda ela é um querer ser boa e estar á altura das convenções e expectativas dos outros, um querer blend in e falhar categóricamente, e saber que se vai falhar categóricamente por que se é diferente, e sente-se de forma diferente, e por mais que se tente ser igual aos outros para se ser aceite nunca irá funcionar. As outras duas são mulheres que se deleitam com a sua diferença e a sua estranheza, a sua agressividade e até violência, querem ser assim, querem ser diferentes e não se esforçam por entrar na norma - o que eu acho de aplaudir, atenção, mas acho que a maioria das mulheres com cabeça, com uma emotividade bem marcada, com inteligência profunda e emocional é mto mais Lana que PJ...
      Alice in Chains foram muito marcantes para mim durante a minha fase grunge, tenho os albuns todos, identifico-me com muitas das letras, coisa q nunca aconteceu com Pearl Jam, p exemplo, e n aconteceu tão profundamente com Soundgarden, onde o que eu gostava mm era a voz do Chris Cornell - sou mto mais Audioslave na verdade - nem com Nirvana, apesar de adorar o som deles n me identificava por aí além com as letras e os sentimentos. Já Faith No More, epá, esses marcaram-me e ficaram para sempre, há cenas deles que mexem comigo de formas inusitadas, e se bem q n posso dizer "ah e tal isto sou eu chapada" que não sou, são cenas q eu consigo compreender de uma forma muito pessoal. Cradle of Filth já é mais a cena do "Fogo, eu sinto isto, fogo eu penso assim" pelo menos no primeiro album deles. Ainda hoje em dia me identifico por demais com certas letras desse álbum, principalmente com o Summer Dieing Fast, acho que a letra dessa musica espelha bem aquilo que eu sou na essência mais pura, nas minhas verdadeiras crenças, naquilo com que eu me identifico... enfim, isto daria tt pano p mangas!!

    2. Tens razaão nisso da Lana!! A Lana é mm isso, e eu identifico-me a 100% com ela, qd mais nova, aspirava ser uma PJ, mais raw e hardcore. A Lana é + soft no sentido de olhares p ela e te parecer frágil, mas no fundo, bem deep, é mais hardore que as outras. Bem, eu n m csg explicar bem, mas basicamente o q quero dizer é q o meu ponto de vista é o teu.
      Olha e Paradise Lost, ouvias? A Forever Failure era tipo hino para mim. Mas dp ficaram estranhos... deixei d csguir ouvir.

    3. OH MY GÓDE!!! Paradise Lost!!! O Icon!! O Dtraconion Times!! Comigo era mto o True Belief, sempre amei essa cena. Fui vê-los a um Super Rock, e foi LINDOOOOOOO!!!! Depois voltei a ir vê-los ao Coliseu e foi tipo dos piores gigs da minha vida, uma seeeeecaaaaa brutal, os gajos sem energia nenhuma, o som muito mau, foi do piorio. Sim, eles ficaram estranhos em termos de som, mas confesso que o One Second se ouve mto bem, se dança mto bem, e ainda me puxa para abanar a anquinha á la gótica marada!!! Apesar da comercialidade da coisa, claro. N te sabia fã de gothic doom metal muahahahahahhhh. N tarda nada dizes-me que adoravas Anathema e o J'Ai Fait Une Promesse á a música da tua vida eheheheh!

  3. Ai doom, meu coração <3 Doom é uma experiência sensorial daquelas, não há nenhum subgénero de metal que me bata tanto como isso. Também me inclino pro nórdico e black metal, já o trash e grind, meh.
    Gostei imenso de ver o teu crescimento associado às bandas que ouvias nesses anos, gostava de fazer isso daqui a uns tempos, so far é um pedacito escasso - agora apetece-me escrever sobre isto no blog, possa mulher!

    1. tb n sou fã de trash nem de grind. Doom, para além dos Desire, sou FANÁTICA por Draconian. Se não conheces - mas claro que deves conhecer - vai ouvir o Arcane Rain Fell mal possas, e atenta-me bem na letra e no resto tb da faixa "Death Come Near Me." PAAAAAAAHHHHHH É A ESSÊNCIA DO DOOM!! Sério!! Acho que se realmente amas doom, essa faixa vai mm mexer contigo. Eu com Black Metal já peco por gostar mm do Atmospheric, descobri recentemente os Saor e bom, até fiquei abananada. Para fechar, na onda do viking metal, se nunca ouviste Arkona, vai procurar. Masha Scream is the coolest woman aliiiiiiive!!

    2. vou tratar de ouvir quem não conheço!

  4. música [finais dos anos 80 e anos 90 à carga, sempre e para sempre; alguns artistas atuais, mas menos mainstream]. livros [fétiche:essencialmente os franceses e os sul americanos - marguerite duras, marguerite yourcenar, anais nin, henry miller, carlos fuentes, gabriel garcia marques, isabel allende, milan kundera, herman hesse, pedro paixão] . o teu fabuloso mulled wine. perfect combo for a lazy weekend!
    beijinho e que tenhas um ótimo fim de semana

  5. Looool, em termos literários somos opostos totais!!! Aos 15 anos, enquanto andava na loucura dos russos, andava tb a enfardar Garcia Marquez e Allende, e amaaaaavaaaaa, principalmente o Crónica de Uma Morte ANunciada, amei esse livro aos 15 anos, fui reler recentemente e já n me satisfez nem tocou, Isabel Allende hoje em dia nem consigo tocar, aborrece-me nem sei bem pq. Li um da Yourcenar e n gostei, já a Duras, adoro o India Song e O Amante - que aliás me inspirou um conto lol - e o Bonjour Tristesse, apesar de ter achado a escrita extremamente infantil, pueril, mas acho q é p isso q o livro é bom. a miúda é INSUPORTÁVEL!!! lol. Hesse n aprecio nada, Paixão ainda menos mas o pior de tudo para mim é Kundera, tb li aí pelos 15 anos qdo A Insustentável Leveza do Ser estava na berra, li tb A Valsa do Adeus, e achei ambos demasiado literatura de cordel, n gostei mm nada, o q realmente parece idiota pq se pensarmos em Jane Austen ou nas Brontë, acabam por ser romances q á primeira podem parecer açucarados e pueris e o caneco - eu discordo destas visões, acho a Jane Austen uma excelente critica social, a par com o Trollope mas ainda mais incisiva e mordaz, pq enquanto ele é muito directo na sua critica, acima de tudo no "Can you Forgive Her?", ela é mto mais dissimulada e cáustica, muito mais sarcástica. Já as Brontë. pá, pdem dizer o q quiserem sobre como as histórias de amor delas são todas tãooooooo pungentes e tãoooooo tristes e amaldiçoadas e irreais, mas a verdade é que são 3 mulheres com um conhecimento do mundo e da vida extremamente limitado, devido ao pai e irmão que tiveram e á época em que viveram, e cujo único refúgio era a leitura e a escrita, sendo que ambos se tornaram tb a única maneira de viverem e experienciarem outras vidas. N me admira q o Wuthering Heights seja o q é em termos de pungência daquele amor, tão premente, tão forte, tão obsessivo que o Heathcliff tinha pela Cathy: era simplesmente aquilo que a própria Emily queria que alguém um dia sentisse por si, infantilmente, sim, erróneamente tb, mas qdo n se tem acesso a viver a vida num pleno, os nossos desejos e sonhos são sempre um bocado irreais... e prontes, com esta conversa lá estou eu a dar aquela pinta de q sou uma sabichona do raio e sei tudo e tenho sempre de dar opinião e o caneco looool

  6. Olá minha linda...
    já não sinto há algum tempo esse friozinho de encontrar algo para ler que realmente prenda e nos puxa para ler mais e mais... verdade seja dita que ultimamente também não consigo ter tempo para ler nada...por isso dificilmente vou encontrar algo que me prenda. Sem procurar é difícil encontrar LOL
    Mas sei do que falas... já em relação à música, nunca consegui seguir um artista fielmente. Gosto de músicas. Mas dificilmente consigo ouvir um artista, ou vários álbuns do mesmo artista. À exceção dos meus Xutos e Pontapés, desses consigo ouvir horas seguidas :)
    Falando agora do teu vinho.... tenho de ser sincera contigo e dizer que raramente bebo, e o vinho tinto sempre foi uma bebida que não me seduziu... não sei explicar porquê...
    Mas sei de alguém de gostaria certamente muito desta bebida, o meu mais-que-tudo, que visualmente é lindíssima e quase que se sente o aroma daqui ;)
    Beijocas grandes

    1. Bom, eu então com a música, nem sei explicar, sou muito ligada a música, escrevo sempre com banda sonora por detrás - e por vezes dá TÃO mau resultado que nem te passa pela cabeça! - e sim, sou capaz de passar horas a ouvir album atrás de album da mesma banda. Vinho é como livros e música para mim, lol, eu digo sempre que numa outra vida eu teria sido enóloga ou escanção aha!! Adoro bons vinhos, n p ficar bezana, para apreciar, deleitar-me com.


Post a Comment